7 erros comuns na escrita de Key Results

A escrita dos Resultados Chave pode determinar o sucesso da sua experiência com a metodologia OKR.  É muito comum nos primeiros períodos que os colaboradores não estejam familiarizados com a escrita e acabem cometendo alguns deslizes que comprometem o próprio engajamento com as metas.

Neste post listamos os erros mais comuns que percebemos durante nossas consultorias de implantação e virada de período. Vamos lá:

1 – KRs com mais de uma métrica
Por exemplo: KR: Ter um aumento de 10% na taxa de aquisição de Leads e 20% na taxa de conversão.
Esse é um erro que compromete a mensuração do KR. Imagina o KR com 50% de performance, qual é o progresso real: aumento de 10% na taxa de aquisição ou aumento de 5% na taxa de aquisição e 10% na taxa de conversão?
Evite esse tipo de confusão!

2 – Cuidado com a periodicidade!
Os KRs devem estar concentrados sempre no seu período do objetivo.
Por exemplo: KR 1: Realizar uma análise de mercado a cada 3 meses (trimestral)

KR 2: Transformar 10% dos leads em prospects no semestre. (semestre)
Você perde a flexibilidade que o OKR traz para a estratégia da sua empresa ao trabalhar com períodos maiores que o vigente. Quebre em KRs trimestrais e analise se faz sentido manter este KR para mais um trimestre durante a transição de períodos.

3- KRs equilíbrio
Gostamos de chamar os KRs de “fatores críticos de sucesso do objetivo”, ou seja, todos eles partilham igualmente a importância para o atingimento do objetivo. Muitas vezes nos deparamos com objetivos e KRs que não possuem a mesma relevância no resultado do objetivo. Isso compromete o gerenciamento da performance tanto individual como da estratégia da companhia.
Por exemplo:
Objetivo: Ser o principal player do mercado brasileiro (performance 50%)
KR1: Adquirir 50 novos clientes (performance 0%)
KR2: Ter 5 novos parceiros (performance 100%)
Neste exemplo, percebemos que o objetivo está com 50% de performance, mas o principal resultado para a área de comercial (as vendas) não ocorreram efetivamente.

4- Mapeie suas dependências
Sempre entenda as dependência dos seus OKRs e busque alinhar com as outras áreas e pessoas envolvidas naquele objetivo.

5 – KRs que medem esforço (muito cuidado com essa, hein!)
Tarefas não são KRs! Sempre crie KRs voltados para os resultados das suas ações e não para as tarefas que serão desempenhadas.

Exemplo: KR: Fazer 50 ligações (uma ligação determina uma venda?)

Imagina que você quer realizar 10 vendas. Hoje o responsável pelo KR estará com a meta de realizar 50 ligações e não 10 vendas, logo, já temos um erro de alinhamento de expectativa.

Digamos que ele fez 40 ligações e atingiu já 10 vendas. Logo ele ainda é obrigado a fazer mais 10 ligações para bater 100% da sua meta. O colaborador já atingiu o resultado esperado, e agora você corre o risco das ligações serem feitas sem Maestria.

6- Subjetividades
Por exemplo: Dar um ótimo atendimento para todos os clientes (O que é ser ótimo?)
Este é outro problema bem frequente. Os KRs precisam ser específicos e mensuráveis. Evite trabalhar com termos que podem ser compreendidos de várias formas, isso dificulta a mensuração e pode gerar injustiças e desengajamento.

7 – Excesso de KRs no mesmo objetivo
A metodologia OKR é uma forma de trabalhar prioridades. É compreensível que queiram detalhar todas as atividades que serão executadas ao longo dos períodos, mas entenda que a metodologia mensura sempre Resultado. Se comprometer com muitos KRs pode encarecer suas prioridades e comprometer seu resultado final. A chave do sucesso é ter foco nas prioridades!

Todos esses erros comprometem tanto o engajamento do colaborador quanto a consistência da sua estratégia. Não deixem que eles ocorram! A metodologia OKR, quando bem aplicada, traz ótimos resultados e inova a cultura de gestão da empresa. Nós da CoBlue temos várias formas para te ajudar e construir OKRs mais sólidos e eficientes. Entre em contato com nossa equipe comercial e saiba como.

Chaccon.png

 

Gabriel Chacon | Costumer Success

Construo estratégias para que nossos clientes consigam atingir o sucesso por meio dos nossos produtos e serviços. Atualmente parte do meu trabalho consiste em consultorias de implantação e gestão da metodologia OKR. Trabalho com modelos de gestão e avaliação de metas e competências desde 2015 gerenciando projetos em empresas de diversos tamanhos e segmentos com destaque na Gol Linha Aéreas, Drogaria São Paulo, Smiles e Leão Alimentos e Bebidas.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *